Coisas que a pandemia ajudou a impulsionar em Angola


Com o surgimento do coronavírus, toda a população mundial teve de passar por um processo ‘obrigatório’ de adaptação. Apesar dos desafios e dificuldades enfrentados, a pandemia ajudou vários angolanos a despertarem ‘talentos adormecidos’, criarem novos hábitos, e até mesmo a ganharem destaque a nível profissional.  

Com o passar dos dias e sem expectativa de voltar aos escritórios ou às instituições de ensino, as pessoas tiveram a necessidade de adaptar e conciliar a sua rotina doméstica com a rotina de trabalho. Com isso, foi possível acordar um pouco mais tarde que o habitual, fazer actividades físicas e elaborar outras actividades que outrora pouco se fazia em função da alegada falta de tempo.

Publicidade

Assim sendo, a pandemia permitiu que vários angolanos fizessem o seguinte:

Aprendessem a cozinhar

Durante a fase de confinamento obrigatório até quem achava que não tinha jeito nenhum para a área de culinária, aprendeu a fazer pelo menos algumas refeições básicas. A prática na cozinha se tornou uma aliada da saúde e ajudou muita gente a controlar ansiedade.

Ganhassem gosto pela leitura

A fase de confinamento proporcionou uma excelente oportunidade de aproximação pais e filhos em torno da leitura. Já quem lê amplia o olhar, torna-se mais tolerante ao perceber na visão do outro formas de alargar a sua própria visão das coisas, várias pessoas recorreram à leitura não só para passar o tempo mas também para enriquecer o seu vocabulário.

Aumento de vendas online em grande escala

Nesta fase delicada, os empreendedores que actuam no mercado online e que colocaram imaginação e criatividade para funcionar viram as vendas dos seus produtos e serviços a dispararem, já que era mais cómodo, menos arriscado e mais saudável, fazer compras a partir de casa, com direito a entrega ao domicílio.

Deu destaque e valorização ao trabalho dos criadores de conteúdos digitais

A pandemia e o confinamento fizeram com que as pessoas passem mais tempo na internet e, principalmente, nas redes sociais. Afinal, precisavam todos de alterar as suas rotinas e procurar formas de passar o tempo sem sair de casa.

Neste momento, os criadores de conteúdo on-line tiveram uma boa oportunidade de alcançar um maior número de pessoas, e a medida que transmitiam informações relevantes, disseminaram o entretenimento, mas também informações importantes sobre a pandemia e sobre o vírus, sempre com mensagens positivas.

Além disso, as famílias angolanas aprenderam a conviver e a partilhar, a se informar a todo momento, dar importância aos cursos online e a valorizar o amor ao próximo.

Importa recordar que Pandemia de COVID-19 em Angola foi confirmada a 21 de março de 2020, após dois cidadãos angolanos, vindos de Portugal, terem sido diagnosticados com o vírus.

 

 

Por: Sofia Adelino

 


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *