Huawei apresenta Key Architecture Index “KAI” para impulsionar a aceleração de rede 5G


Dentro do festival de AfricaCom, a operadora Huawei, realizou recentemente uma conferência IP, com transmissão online, sobre o tema “Liderando redes IP inteligentes, acelerando a conectividade inteligente”, a fim de apresentar na companhia de seus parceiros da indústria, o Key Architecture Index (KAI) e compartilhar as suas aplicações.

A arquitetura KAI aborda especificamente os desafios da complexidade, permitindo redes prontas para o futuro com fácil integração, visibilidade, gerenciamento e controlo, medindo cinco dimensões da rede de transporte. Os índices do modelo KAI são Congestion Free, Scalability, Simplification, Always-on e Intelligence. Cada dimensão é avaliada através da camada óptica, IP e gerenciador / controlador / analisador.

Publicidade

“O modelo KAI ajuda a medir os resultados a um nível aceitável em todo o nosso portfólio de ofertas para que possamos realizar uma abordagem baseada em nuvem para monitorar a arquitetura”, frisou Hugh Ujhazy, vice-presidente da IOT e Telecom na IDC.

Para Samuel Chen, Diretor do Departamento de Vendas de Soluções e Marketing da Huawei na Região da África Austral tem que se “simplificar de vez as nossas redes enquanto mudamos para redes autónomas e inteligentes”, uma vez que um desafio enfrentado pela maioria das redes IP (protocolo de internet) é a complexidade desnecessária, devido à falta de padronização da arquitetura IP. A maioria das redes foram construídas sem previsão adequadas, e as de próxima geração, sejam elas 3G, 4G ou 5G, foram construídas sobre as redes existentes. E isso criou complexidades de rede em torno da falta de visibilidade, gerenciamento e controlo.

A rede de transmissão IP livre é de congestionamento com melhor experiência, que seria o resultado directo de seguir um modelo arquitetônico. Na nota submetida ao AngoRussia, Zoltan Miklos, gerente geral de planejamento de rede da MTN da África do Sul, enfatizou que era fundamental construir redes tendo em mente a experiência do cliente.  “A experiência do usuário não está apenas relacionada à rede sem fio, mas a todos os aspectos que fazem parte da cadeia de serviços – do cliente ao núcleo da rede”, reforçou ele.

Ainda de acordo com o mesmo, a MTN está a trabalhar arduamente para melhorar a arquitetura de rede e está a alcançar excelentes taxas de perda de pacotes de menos de 10-4 em toda a sua rede. “As contínuas conquistas P3 best-in-test que a MTN obteve são um testemunho disso”, afirmou.

Tony Hu, vice-presidente de Linha de Produtos de Comunicação de Dados da Huawei, disse também que uma abordagem passo a passo era a maneira certa para os clientes adoptarem essa evolução para o modelo arquitetónico KAI. “Precisamos pensar não apenas como camadas de caixa. Precisamos pensar sobre as camadas do sistema, as camadas da arquitetura”, disse Hu que acrescentou “Precisamos repensar como os serviços serão executados em futuras redes IP e como evoluir nossas redes atuais para o futuro”.

De acordo com o mesmo, as redes IP podem evoluir avaliando a rede actual em relação às cinco dimensões KAI. A pontuação KAI obtida poderia então ajudar a operadora a definir a rede de destino e as medidas corretivas necessárias a serem tomadas para lá chegar.

O modelo KAI mede as cinco dimensões de uma rede da seguinte maneira:

Congestion Free: Taxa de fibrização, 10G / 25G para o local, taxa de convergência, divisão de rede.

Simplified: SRv6/EVPN, Precise Clock Sync (G.8275.1).

Scalable: Capacidade de IP, convergência de rede fixa + móvel + corporativa, separação de plano de controle e usuário (BNG).

Always On: Topologia – Anel e malha, desacoplamento de rede e serviço, proteção – IP FRR / TI-LFA, IP + sinergia óptica.

Intelligent: Provisionamento automático, visualização em GIS e topologia lógica, recuperação de problemas (nível de minutos), manutenção preditiva e proativa, Full Stack AI.


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *