Presidente aprova a compra de apartamentos para magistrados por 10,8 milhões de euros


O Presidente da República João Lourenço, autorizou uma despesa de 10,8 milhões de euros, no âmbito do reequilíbrio financeiro, para a compra de 54 apartamentos com vista a dar “acomodação condigna” a juízes dos tribunais superiores, magistrados judiciais e do Ministério Público.

De acordo com a Lusa, tratam-se de apartamentos de tipologia T4, no empreendimento Torres Cidadela, na Avenida Hoji-ya-Henda (Luanda) terá um custo aproximado de 200 mil euros.

Publicidade

O reequilíbrio económico financeiro do contrato promessa de compra e venda das habitações é justificado com a actual conjuntura macroeconómica, financeira e cambial que se tem “refletido diretamente nos preços dos bens, produtos e serviços”, cabendo à ministra das Finanças a responsabilidade pela celebração da adenda contratual.

O despacho presidencial, assinado por João Lourenço, menciona que “o executivo está empenhado na melhoria das condições de habitabilidade dos órgãos que integram o aparelho do Estado, tende em vista o aumento da eficiência e da eficácia da sua atividade e consequente prestação de um serviço com mais qualidade”.

Já em 2017, o Governo teve luz verde para comprar 23 andares no mesmo empreendimento com o objetivo de “proporcionar uma acomodação condigna aos quadros técnicos dos órgãos de justiça”, nomeadamente Procuradoria-Geral da República , Supremo Tribunal Militar, Procuradoria Militar, Polícia Militar e outras entidades do setor, como noticiou na altura o semanário Novo Jornal.

O negócio foi celerado com a empresa Angosteel que tem como sócio construtor o português José Guilherme, também conhecido como “Zé Grande”, que se celebrizou por uma generosa oferta de 14 milhões de euros ao antigo presidente do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado.

 

Lusa


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *