Libongos, “o monstro″ das águas ultra-profundas da Sonangol já está em Angola


Um dos navios-sonda da Sonangol que foi construído na Coreia do Sul,z baptizado de “Sonangol Libongos” atracou no princípio da noite desta segunda-feira (16) de Setembro, no cais da SONILS, em Luanda, encontrando-se apenas à espera de questões burocráticas para seguir rumo ao Bloco 15/06, no campo recém descoberto pela italiana Eni, denominado “Agogo”.

Libongos, "o monstro″ das águas ultra-profundas da Sonangol já está em Angola

O “Sonangol Libongos” é um navio da 7ª geração, construído em 2018, com 238m de comprimento e 42m de boca, a sua capacidade bruta é de 67101 toneladas e uma capacidade de perfuração até os 40.000 pés em águas com mais de 12.000 pés de profundidade, águas ultra profundas.

Ao total, Angola adquiriu dois navios de última geração, nomeadamente “Sonangol Libongos” e “Sonangol Quenguela”.

A inauguração aconteceu no passado dia 21 de Março, em Busan, na Coreia do Sul, e contou com a presença da Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, como madrinha do navio, do então Presidente do Conselho de Administração da Sonangol, Carlos Saturnino, e do Presidente da DAEWOO SHIPBUILDING MARINE ENGINEERING-“DSME”, Sung Leep Jung, enquanto anfitrião.

O novo navio, garantirá numa primeira fase, emprego a cerca de 1.200 trabalhadores, entre nacionais e estrangeiros, tem capacidade de operação em águas profundas, ultra profundas e no pré-sal, e estará disponível para executar trabalhos a nível nacional e internacional.

Em nota de imprensa divulgada no passado mês de Julho, a Eni revelou que realizou, com sucesso, a perfuração do Agogo 1, o primeiro poço de avaliação da descoberta Agogo, no Bloco 15/06, no offshore de Angola, com os resultados a confirmarem a presença de 650 milhões de barris de petróleo no reservatório.

Os dados obtidos no Agogo-1 indicam uma capacidade de produção acima dos 15,000 barris de petróleo por dia.

Libongos, "o monstro″ das águas ultra-profundas da Sonangol já está em Angola

O Grupo Empreiteiro do Bloco 15/06 é composto pela Eni, operadora do activo com  36.8421% de participação, pela Sonangol P&P que detém 36.8421% e pela SSI Fifteen Limited que detém os restantes 26.3158%.

Angola é um País estratégico para o crescimento orgânico da Eni, que tem estado presente no País desde 1980. A quota produção da Eni em Angola é de cerca de 150,000 barris de petróleo equivalente por dia.

No Bloco 15/06, A Eni opera dois projectos de desenvolvimento de petróleo, o Pólo Oeste e o Pólo Este, que têm um produção actual de cerca de 155,000 barris de petróleo por dia. A Eni é também operadora do Bloco Cabinda Norte, localizado no onshore de Angola.

A gestão da referida embarcação está a ser assegurada pela Seadrill Limited, que, para o efeito, assinou (no dia 06 de Fevereiro) um acordo para a constituição de uma parceria com a Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola, designada por Sonadrill.

O pacto, com duração inicial de cinco anos, visa a gestão técnica, comercial e operacional de quatro unidades de perfuração, concentrando-se nas operações petrolíferas em águas angolanas, com o envolvimento de parte da frota da própria Seadrill Limited.

Libongos, "o monstro″ das águas ultra-profundas da Sonangol já está em Angola


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

Um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *