Encarregados de Educação reprovam reinício das aulas para Julho


220 partilhas

Depois da Ministra de Estado para a Área Social Carolina Cerqueira, ter reunido com os governadores provinciais em vídeo conferência nesta segunda-feira (15) de Junho, para debaterem sobre o regresso as aulas já no próximo mês de Julho, vários encarregados de educação angolanos nas redes sociais manifestaram-se inseguros com o reinício do ano lectivo, por causa da possível exposição das crianças ao novo coronavírus, para alguns deles, o ano lectivo 2020 deveria ser anulado.

Segundo a Ministra de Estado para a Área Social, que presidiu a vídeo-conferência, todas as sugestões apresentadas pelos Governantes serão levadas aos membros da Comissão Multissectorial para a Prevenção e Combate à Covid-19, e as mesmas serão analisadas e apresentadas ao Presidente da República, João Lourenço, para a decisão final.

Publicidade

Embora algumas instituições de ensino tenham garantido existirem todas as condições para o distanciamento físico, à entrada e dentro dos recintos escolares, higienização, entre outras medidas de prevenção contra a Covid-19, impostas pelas autoridades sanitárias, os encarregados de educação mostraram-se insatisfeitos e inseguros em terem os seus filhos expostos, uma vez que muitas escolas têm sérios problemas de saneamento básico.

Entre várias reclamações e perguntas feitas nas redes sociais, à quem condena a não anulação do ano lectivo acadêmico, enquanto que outros defendem que ainda é cedo para se pensar em anular afirmando que alguns angolanos ‘não têm cultura’ de estudar e estão a se aproveitar da situação que o país e o mundo está a atravessar, por isso estão contra a abertura das escolas, dizendo ainda que são os mesmos que passam o tempo todo a reclamarem para abertura dos mercados, igrejas e bares.

“A solução devia ser cancelar primeiro semestre e continuar o ano letivo no próximo semestre que possa começar provavelmente em julho ou agosto sem interrupções de férias até ao mês de fevereiro do próximo ano”, sugere um internuata. “Tanta coisa a reabrir, retorno às aulas é a única coisa que vos preocupa?? As Igrejas vão reabrir todo mundo vai retomar a tudo, têm noção de quantos professores dependem do serviço para comer? Quando os mesmos forem a rua, não vão fazer greve pk não querem estudar. Vosso problema não é outro é escola”, acrescentou outro.

De acordo com Carolina Cerqueira, há unanimidade em relação ao não-reinício das aulas no ensino primário e I ciclo do ensino secundário, por abarcar crianças que podem ter dificuldades em observar as medidas de biossegurança.

Segundo o cronograma reajustado do Ministério da Educação (MED), o primeiro trimestre vai de 13 de Julho a 28 de Agosto e o segundo de 31 de Agosto a 31 de Dezembro.

A partir desse período, o ano lectivo, que teria duração de 180 dias, será encurtado a 126 dias, devido à Covid-19.

De ressaltar que a actividade lectiva foi suspensa em finais de Março, devido à ameaça de proliferação do novo coronavírus, que já infectou cerca de 142 pessoas no país e fez seis mortos. Veja abaixo alguns dos comentários com a reacção a não anulação do ano lectivo 2020:

 


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

220 partilhas

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *