Angolanos aplaudem decisão do PR João Lourenço sobre possível discussão do caso IURD


Depois do Presidente da República João Lourenço, ter rejeitado receber uma delegação parlamentar brasileira que pretendia defender os interesses da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola, internautas recorreram as redes sociais para aplaudirem a decisão da executivo. 

O pedido teria sido feito pelo vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão, durante a última cúpula da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), celebrada na semana passada em Luanda. João Lourenço por sua vez, teria respondido que não era adequado que uma delegação de congressistas brasileiros fosse recebida por si, mas garantiu que os parlamentares serão bem-vindos num encontro com deputados angolanos, sempre que devidamente convidados pelo Congresso de Angola.

Publicidade

Nas redes sociais, várias pessoas aplaudiram a decisão do Presidente da Republica em não ter aceite receber parlamentares do Brasil para discutir o caso IURD, alegando que os brasileiros são bem-vindos no território nacional, mas para tratar de outros assuntos.

“Fez bem! Os brasileiros são nossos irmãos e são bem-vindos, mas para outros assuntos. Esse não”, escreveu o Dj Bruno AG. “Brasileiros são bem vindos em Angola, mas IURD não pode mas permanecer no nosso país”, reforçou um internauta.

Outro internauta fez menção a seriedade nas palavras do Presidente: “JL é um presidente sério no que diz e a sua palavra não volta vazia”. Já outro comentário fez referência às supostas ‘pragas’ que o Bispo Macedo fez para Angola.  “Macedo praguejastes tanto os angolanos e agora queres voltar???? Tira as mãos de Angola Macedo, senhor presidente é uma decisão bem tomada bravo”, disse. “Vejo com bons olhos, devemos separar os poderes, isso está nas mãos do judiciário, nada tem a ver com o executivo. Viva atitude do nosso titular executivo”, ressaltou outro internauta.

Focada nas oportunidades e melhoria do país, uma internauta só não parabenizou o Presidente da República como também convidou os brasileiros a ajudaram na construção de escolas, hospitais, entre outros. “Venham construir, clínicas estradas, escolas, creches comunitárias, venham dar bolsas de estudo, projectos de agricultura… com parte do dinheiro… não só vocês mas todos que tiram da boca do Povo … vamos vos receber”.

Importa ressaltar que, em causa está um conflito interno da IURD em Angola, que dividiu os seus membros em duas alas, uma liderada até hoje pelo bispo brasileiro Honorilton Gonçalves e a outra pelo bispo angolano Valente Bezerra.

O conflito teve o seu início em novembro de 2019, quando um grupo de dissidentes angolanos decidiu afastar-se da direção brasileira com várias alegações de crimes, nomeadamente de evasão de divisas, racismo, prática obrigatória de vasectomia, entre outras.