Angola continua na liderança da produção de petróleo em África


Angola foi em julho, pelo quinto mês consecutivo, o maior produtor de africano de petróleo, com 1,782 milhões de barris de crude por dia, acima dos 1,508 milhões de barris diários da Nigéria, cuja produção voltou a cair.

Petróleo

A informação, que resulta de fontes secundárias, consta do relatório de julho da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), consultado hoje pela Lusa, e reflete uma diminuição na produção angolana de 3.800 barris diários, face ao mês de junho.

Publicidade

A enfrentar problemas com grupos armados que comprometem as operações petrolíferas, a Nigéria, que começou 2016 a liderar com 1,853 milhões de barris diários (contra os 1,742 milhões de Angola), viu a produção descer até aos 1,444 milhões em maio, o valor mais baixo do ano, segundo a OPEP.

Depois de recuperar em junho, a produção de crude nigeriana voltou a cair, 41.300 barris, em julho, para uma estimativa de 1,508 milhões de barris, continuando desta forma atrás de Angola, pelo quinto mês consecutivo.

Um recente relatório da Agência Internacional de Energia explica que só a desorganização, instabilidade política, roubos de petróleo, dificuldades no controlo de grupos armados e aos adiamentos sucessivos da nova lei do petróleo impedem a Nigéria de retomar o primeiro lugar da produção de petróleo em África.

A agência prevê ainda que Angola continue na liderança da produção petrolífera em África até 2020.

O último relatório da OPEP refere ainda que a China voltou a comprar menos petróleo de maio para junho (-2%), descendo para uma média de 7,5 milhões de barris por dia. Deste total, Angola forneceu 10%, sendo o país apenas ultrapassado pela Arábia Saudita (18%) e pela Rússia (13%).

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas. Em menos de dois anos, o país viu o barril exportado passar de mais de 100 dólares para vendas médias, no primeiro semestre deste ano, de 36 dólares por barril, segundo dados do Ministério das Finanças.

Segundo a mesma informação, o país produziu em média, no primeiro semestre do ano, 1,77 milhões de barris de crude por dia.

Lusa


Gostou? Partilhe com os teus amigos!