Seis actores angolanos que dão ‘tudo’ de si para os seus personagens


Para um filme ou uma novela ser memorável, não basta um óptimo roteiro, boa produção, e direcção competente. Também é preciso escalar os actores mais adequados para não só interpretar, mas também dar destaque aos personagens na ficção. Sendo assim, o AngoRussia reuniu neste artigo seis actores angolanos que dão o melhor de si para os papéis que interpretam.

Foto: reprodução Instagram e Facebook ( Autor não identificado, Fernando Mailoge e Raúl do Rosário)

Existem personagens tão marcantes que faz com que fique difícil separar do actor que o interpretou, o que faz com que os telespectadores mergulhem nas histórias que contam.

Veja abaixo os actores seleccionados:

Eduardo Kialanda “Talibã”

Actor e produtor, Eduardo Kialanda ficou bastante conhecido após dar vida ao personagem “Talibã” no filme Assaltos em Luanda I e II por ter “encarnado” tão bem o seu papel ao ponto de não transparecer que que estava apenas a interpretar. A mesma habilidade foi notória em “Gravidades e Gravidez”, “O Destinado” e outros.

Eduardo Kialanda “Talibã”, fez formação básica de teatro e pintura em 1997, na República Democrática do Congo. Em 2001, ingressou para a Companhia Horizonte Njinga Mbande, com a qual participou em várias peças de teatro, com destaque para “Lueji”, “A Bíblia”, “O Prato do Cão”, “Ser Taxista” e “Homenagem a Agostinho Neto”.

Em 2008, criou o projecto de teatro “Talibã e Amigos”, que visa formar e realizar espectáculos de teatro em todo o país, para apoiar artistas anónimos. No mesmo ano, escreveu as peças “Gravidades e Gravidez” e “Imigrado amigo meu” nas quais contracenou com o actor Edmar Bernardo “Cobra”, exibidas em várias províncias. Tem várias obras cinematográficas e de teatro.

Antes do confinamento, o actor dedicava-se à realização de espectáculos de humor (Stand Upcomedy). Entrou no mundo do cinema, em 2005, tendo participado no filme de Henrique Narciso “Dito”, que venceu o primeiro concurso do festival, para filmes de um minuto, organizado pela Aliance Française de Luanda.

Edmar Bernardo “Cobra”

Mais conhecido como “Cobra”, Edmar Bernardo ganhou bastante notoriedade após participar dos filmes “Assaltos em Luanda I e II” ao interpretar de uma forma sem igual o seu personagem, e conquistar o público com a história que revelava a realidade angolana.

Apesar de ter poucos trabalhos exibidos Edmar é o tipo de actor que encaixa na perfeição em qualquer tipo de personagem, do vilão ao ‘mocinho’. Também fez parte do projecto de teatro “Talibã e Amigos”, e participo da peça “Gravidades e Gravides”.

Raúl do Rosário

Raúl Jorge Resende de Barros Rosário (Raul do Rosário), um actor, que nasceu em Benguela (Angola), nos anos 1970, começou a sua carreira artística no Elinga Teatro, no princípio dos anos 1990, passou por, Coimbra, Escola da Noite, onde trabalhou com Augusto Barros, de volta a Angola, trabalhou “Quem me dera ser onda”, de Manuel Rui Monteiro, com Cândido Ferreira.

O actor se destacou nas séries “Sede de Viver” e “Caminhos Cruzados”, onde deu muito de si. Actualmente dá vida a “Ondjaki”, na novela angolana “O Rio”, um ex-presidiário que tenta provar a sua inocência e recuperar não apenas a sua dignidade, mas também a parte que lhe corresponde na mina da Lúbia.

No Cinema filmou: “O Herói de Zeze Gamboa”, e “Cidade Vazia de Maria João Ganga”, algumas séries televisivas angolanas, tais como: “Regresso a Sizalinda”, Co-produção com RTP “Minha Terra, Minha Mãe da TPA”, com Reinaldo Bouri, etc. Continua o seu trabalho no Teatro Elinga, como actor, encenador.

Foto: Reprodução Instagram (Fredy Costa, Sílvio Nascimento e Fernando Mailoge)

Fredy Costa

Com 42 anos, Fredy Costa sempre mergulhou nos seus personagens de ‘cabeça’. Estreou-se na representação em 2001 com a série “Vidas Ocultas” (TPA). Participou em “Reviravolta” (2002/2003), “Sede de Viver” (2004/2005), “Entre o Crime e a Paixão” (2006/2007), “Doce Pitanga” e “Voo Direto”. Em 2012, participou na novela “Windeck”, nomeada para os Emmys 2013. Estreou-se no Brasil em 2014, onde participou na série “O Caçador” (TV Globo). Em 2014, participou na novela “Jikulumessu” (Semba Comunicação), nomeada para os Emmys 2015.

Estreou-se em Portugal em 2015, com a telenovela “A Única Mulher” (TVI) e participou na telenovela “Ouro Verde”, também na TVI, vencedora de um Emmy em 2018. Em 2017, fez também “Apocalipse” (RecordTV) e participou na novela “A Teia” (2019) e “Quer o Destino” (2020), da TVI.

Sílvio Nascimento

Sílvio Emerson de Sousa Ferreira do Nascimento é um actor natural do Lubango, província da Huíla, que conquistou o seu espaço no mercado angolano, após mostrar o potencial que tem de encarnar em alguns personagens, principalmente quando representa um vilão.

Em 2017 venceu o prémio Moda Luanda para Melhor actor e em 2018 foi vencedor de um Globo de Ouro Angola de Melhor Actor.

Sílvio Nascimento começou a fazer teatro aos sete anos de idade na escola de madres “Sé Catedral”. Aos 18 anos entra para o grupo teatral “Os Vozes Soltas”, onde começou a trabalhar profissionalmente. Com o dinheiro que ganhava dos espectáculos nos quais participava e organizava, fez formações, cursos técnicos e oficinas de teatro por vários sítios por onde passava, como por exemplo a formação de Teatro e dança no ballet nacional de Luanda, em 2006.

Em 2008 ingressa para o grupo Henrique artes, onde começa a internacionalizar os seus trabalhos com a peça “Hotel Komarka”. Cabo verde, Brasil, Portugal, Moçambique, África do Sul e Estados Unidos da América foram os destinos por onde passou com a peça. Nessas viagens, Sílvio participou em oficinas de teatro de Nova York, Miami Beach, companhia de Curtis Ballard e de comunidades brasileiras. Ainda em 2008, entrou para o mundo cinematográfico com o filme “Reduzidos a Nada” de Jack Caleia e Divua António.

Participou em “Assaltos em Luanda 2”, foi o rosto principal do programa “Stop SIDA”, fez o filme e série “Njinga Rainha de Angola”, integrou o elenco da telenovela “Windeck” e também de “Jikulumessu”. Actualmente dá vida ao personagem “Henda”, na novela “O Rio” da DStv.

Fernando Mailoge

Actor de teatro, cinema e televisão, há 11 anos, Fernando é conhecido pelo empenho e profissionalismo, tal como Sílvio, o público acredita que o mesmo é melhor como vilão.

Fernando já protagonizou o filme “Rastos de Sangue, participou de “Njinga Rainha de Angola”, foi protagonista da primeira parte novela “Jikulumessu”, “Makongo”, e “Muxima”. Concorreu na categoria melhor actor e venceu pela Angola Top Tean Ewards 2016. Actualmente está a participar da novela “O Rio” do Kwenda Magic, posição 502 da DStv.