Psicóloga Amélia de Almeida fala como pessoas próximas podem ajudar quem sofre com depressão


O movimento de conscientização contra o suicídio ‘Setembro Amarelo’ ainda é pouco falado em Angola, até ao momento o país não possui nenhum dispositivo ou órgão competentes para análise de uma taxa com dados fidedignos. Derivado de diversas situações, o suicídio pode ser prevenido quando se descobre os sintomas a tempo, presta-se ajuda ao cidadão revestido desta vontade ardente, diz psicóloga Amélia de Almeida.

O suicídio é o acto de causar a própria morte de forma intencional, baseado em sentimentos negativos como a depressão, orientação sexual, vergonha de um acto imoral julgado, traição, bullying, violência doméstica, classes sociais, falta de atenção dos familiares, não querer alimentar-se. Como o indivíduo vive sentimentos de amargura acarretado de culpas, se sente inútil incapaz de conseguir dar a volta por cima, então sente-se sufocado o que faz tomar a decisão de meter fim a sua vida.

Publicidade

Em conversa com o AngoRussia, a psicóloga Amélia de Almeida falou sobre os sintomas de um indivíduo com ideias suicidas apresenta nomeadamente auto-isolamento, sinais de tristeza profunda anormal, desânimo, cansaço da vida, pouca motivação para comer e levantar da cama, fica apático nas actividades que desempenhava sem qualquer problema antes de estar a viver esse transtorno emocional.

De acordo com Amélia de Almeida sempre que alguém pensa em cometer o suicídio, escreve ou diz contextualizada ou não “é melhor morrer” outros deixam cartas, uns verbalizam, e outros têm atitudes de despedidas fazendo coisas como abraçar e expressar muito amor as pessoas com frases “vou sentir a tua falta”, atitudes comportamentais que mudam muito e variam de idade, de indivíduo à indivíduo, tudo isso são sinal de alerta específicos.

Para se ver livre da vontade suicida, primeiro deve-se identificar os desejos e emoções de agora, desconstruir pensando no que pode causar essa acção, procurar ajuda profissional e qualificada. O psicólogo ajuda o indivíduo com ideias suicidas utilizando as técnicas e os métodos de desconstrução dessa ideia. “Tratamentos utilizados automaticamente são fármacos e apoio psicológico, precisamos que o comprimido actue no cérebro e baixe a intensidade que o indivíduo se encontra no momento, e com apoio psicológico tende a destruir a ideia do pensamento suicida”, diz a psicóloga. Além de ajuda técnica, pessoas próximas podem ajudar por meio de conversas e demostrar afecto, fazendo entender que o indivíduo não está sozinho nesta luta.

Ainda existe uma barreira enorme para ser derrubada, muitas pessoas não se sentem confortáveis para compartilhar suas dores ou a existência de pensamentos suicidas; muitas das vezes, não conseguem nem ao menos compreender inteiramente o que estão a sentir, preferem ignorar os sentimentos ruins. “O indivíduo que normalmente toma essa atitude acha que está sozinho e entende que não pertence a esse mundo. É a mesma sensação que pessoas com transtornos e depressão sentem. Elas veem que a única forma de acabar com a dor que sentem, é tirando a própria vida”, explica em nota enviada ao AngoRussia a psicóloga brasileira Amanda Fitas.

Setembro Amarelo é uma campanha de prevenção ao suicídio, que surgiu no Brasil iniciada em 2015. O mês de setembro foi escolhido para a campanha porque, desde 2003, o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, com base aos números de casos foi definido o dia em que os pais, familiares e amigos das vítimas têm a oportunidade de lidar com esta dor numa campanha que demostra-se não estar sozinho.

A depressão caracteriza-se como uma doença em que ocorrem desequilíbrios químicos dos chamados neurotransmissores. Essas substâncias são responsáveis por transportar as informações pela rede de neurónios do nosso cérebro – incluindo as sensações de prazer, serenidade, disposição e bem estar.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão aflige 10% da população mundial e infelizmente os números tendem a aumentar exponencialmente nos próximos anos.

 


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *