Jovem alerta as mulheres sobre o uso excessivo de filtros nas redes sociais: -“Estamos a ficar reféns”


As redes sociais estão cada vez mais presentes no cotidiano das sociedades, fundamentalmente nesta fase que recomenda-se o distanciamento físico, por conta da Covid-19. Apesar dessas ferramentas tecnológicas terem grandes vantagens, também acabam por acarretar algumas coisas menos boas e o uso exagerado dos filtros capazes de modificar completamente a aparência de alguém, é apontada como um dos males.  Em função disso, a jovem angolana Engenheira de Petróleos Dionísia Mauricio, divulgou recentemente no seu perfil do Tik Tok a sua reflexão sobre o facto das mulheres estarem reféns dos filtros e da falsa perfeição que as redes sociais oferecem.

Dionísia achou por bem chamar a atenção das mulheres para a importância de se aderir à determinadas coisas sem que necessariamente as pessoas se tornem reféns.

“Eu passo para deixar um conselho e que serviria também como uma chamada de atenção a todas as mulheres, porque é preocupante a forma como estamos a caminhar. Eu sei que gostamos muito de usar maquilhagem e filtros, mas não vamos nos viciar porque de certa forma estamos a ficar reféns e dependentes disto por não conseguirmos aparecer publicamente sem uma coisa ou outra”, começou por dizer.

Na sua linha de abordagem, a jovem que partilha diversos temas no Tik Tok, ressaltou ainda ter conhecimento da existência de padrões de beleza no mundo mas frisou que as pessoas não precisam recorrer aos filtros de forma exagerada para parecerem ‘perfeitas’.

Publicidade

“Vocês precisam amar-se, encontrar-se, aceitar-se e publicamente mostrar-se com aquilo que realmente são. Depois que você passa um pano na cara o teu rosto é aquele, cheio de imperfeições como o meu, do João ou da Antônia, ninguém é perfeito, Deus fez-nos completamente diferentes e é na diferença que nos tornam únicos, então precisamos aceitar-nos para que os outros respeitam-nos e nos amem como nos somos”, disse.

Dionísia, aproveitou para deixar conselhos aos usuários de filtros sugerindo que procurem fazer um bom investimento em tratamentos dermatológicos e emocionais: “Os seres humanos são feitos de qualidades e defeitos, não há um ser perfeito entre nós, vamos cuidar da nossa estética, se alguma coisa incomoda podemos fazer um investimento adicional para um tratamento dermatológico, mas em contra partida investir no nosso tratamento emocional, porque as vezes isso transcende aos problemas estéticos que é algo mais para dentro. Não é normal que nós não nos aceitemos e que não consigamos aparecer publicamente sem uma peruca, maquilhagem, fazer um story sem algum efeito, isso chega a ser preocupante! Somos todos no final do dia pessoas falsas, apresentamos uma coisa nas redes sociais e na vida real somos completamente diferentes. Que usemos isso de forma divertida, não como  uma coisa que nos torne dependentes”, finalizou.

Os filtros das redes sociais Instagram, Snapchat, Tik Tok, entre outros, utilizados para melhorar a qualidade das selfies e vídeos nas respectivas redes sociais, são actualmente apontados como sendo capazes de desenvolver algum tipo de transtorno ou ameaça à saúde mental. Segundo psicólogos,  este mesmo transtorno também conhecido como ‘síndrome da feiura imaginária’, está relacionado a preocupações excessivas da pessoa com aspectos específicos da própria aparência física.