“Criança com autismo se torna um adulto com autismo”, diz médica geral Sigiride Francisco


O ‘Autismo’, distúrbio que afecta a comunicação, a capacidade de aprendizado e adaptação da criança, em Angola ainda é pouco abordado e é muitas vezes associado à crenças místicas, confrontado com esta realidade, o AngoRussia consultou a especialista em medicina geral Sigiride Francisco para esclarecer as intrigas por trás da temática.

Em conversa com o AngoRussia, a médica geral Sigiride Marilina de Fátima Francisco começou por estabelecer os quatro tipos de autismo: síndrome de asperger considerada a forma mais leve entre os tipos de autismo e é três vezes mais comum em meninos do que meninas, transtorno invasivo do desenvolvimento, transtorno autista e transtorno desintegrativo da infância apresentados em três níveis, leve, médio e grave.

Publicidade

Durante a infância, esse distúrbio costuma ser chamado de autismo infantil, síndrome de comportamento que predomina em meninos e faz com que as crianças tenham reações comportamentais diferentes, tendo como o principal sintoma, o isolamento. Por norma os sinais de autismo podem ser identificados antes dos 36 meses de idade.

De acordo Sigiride o autismo não tem cura, a criança com autismo se torna um adulto com autismo, não existe um medicamento para o autismo e nem um tratamento geral, visto que são aplicadas diferentes técnicas consoante a gravidade da doença, para minimizar recorre-se ao acompanhamento por um fonoaudiólogo que ajuda a desenvolver a sua linguagem verbal e não verbal, e a terapia ocupacional ou comportamental para impulsionar o autista no desenvolvimento de uma melhor resposta aos estímulos sensoriais.

Ao longo da conversa, a especialista alistou os sintomas de autismo que costumam a variar de acordo com a gravidade do distúrbio dentre eles comportamento agressivo, falta de contacto visual com outras pessoas, irritabilidade, imitação involuntária de movimentos, dificuldade de aprendizagem, atraso na fala, depressão, ansiedade.

“Atenção que não é necessário que a pessoa apresente todos os sintomas para ser considerada autista”, advertiu a médica.

Para finalizar Sigiride Francisco ressaltou que o autismo não significa “falta de inteligência”, visto que existem autistas em todos os níveis de QI, sendo alto, médio e baixo.

O Autismo ou Transtorno do Espectro Autista (TEA), é um transtorno neurológico caracterizado por comprometimento da interação social, comunicação verbal e não verbal e comportamento restrito e repetitivo, os sinais geralmente desenvolvem-se gradualmente, mas algumas crianças com autismo alcançam o marco de desenvolvimento em um ritmo normal e depois regridem. Segundo a medicina as causas do autismo ainda são desconhecidas, recorrentes à alguns tratamento que possam ajudar o indivíduo autista a se integrar melhor na sociedade.


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *