Benefícios e contra-indicações do aleitamento materno nos seis primeiros meses de vida


O aleitamento materno nos primeiros meses de vida, deixa a criança mais resistente à várias possíveis doenças, e evita cerca de 13% das mortes na infância, o que gera benefício à saúde, além de ser fundamental para o crescimento e desenvolvimento da criança, caso quem o amamente esteja livre de qualquer doença infecciosa.

Em conversa com o AngoRussia, a Médica Geral Sigiride Marilina definiu a amamentação ou aleitamento materno como sendo o período de tempo durante o qual, o recém-nascido se alimenta total ou parcialmente do leite materno. O leite materno deve ser o único alimento do bebê nos seis primeiros meses de vida e ser complementado com outros alimentos daí em diante, até os dois anos de idade.

Publicidade

Benefícios da amamentação de acordo à médica geral:
• O leite materno contém anticorpos contra as infecções mais comuns, e diminui o risco de doenças e mortes infantis.

  • Nenhuma fórmula alimentar artificial se mostra igual ou superior ao leite materno.

 • A amamentação estreita os laços emocionais entre mãe e filho.

  • Têm menor propensão à obesidade e ao diabetes mellitus.

 • Traz benefícios para a mulher favorecendo a evolução do útero, agiliza o retorno ao peso anterior à gravidez, previne sangramentos pós-parto, câncer de mama e de ovário.

  • Aumenta a produção de endorfinas pelo cérebro, substâncias que produzem relaxamento e bem-estar. As mães que amamentam têm também menores índices de depressão pós-parto e de doenças cardíacas.

Contra-indicações temporárias:
• Situações de mães que tenham alguma doença infecciosa como a varicela, herpes com lesões mamárias, tuberculose não tratada ou ainda quando tenham de efectuar uma medicação imprescindível.

Contra-indicações definitivas:
• Os casos de mães com doenças graves, crónicas ou debilitantes, mães infectadas pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH), mães que precisam tomar medicamentos que são nocivos para os bebés, e ainda, bebés com doenças metabólicas raras como a fenilcetonúria e a galactosemia.


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *