Adelino Caracol pede ao governo edifícios “inactivos” para exibições de projectos de arte


Adelino Caracol, presidente da Associação Angolana de Teatro, sugeriu recentemente  que a antiga sede da Assembleia Nacional e as salas de espectáculos e cinemas sob tutela do Estado sejam entregues aos grupos de teatro para a promoção de eventos culturais, considerando uma medida que pode salvar o futuro da arte.

A semelhança do que acontece em outras partes do mundo, para tornar os grupos teatrais mais rentáveis e transformá-los em pequenas e médias empresas, os fazedores de teatro, entendem ser necessário que o Estado entregue-lhes a gestão das salas de teatro públicas. O também encenador, Adelino Caracol, sugere que a ex sede da Assembleia nacional, edifício que já funcionou como Cine Teatro Restauração, seja transformada em espaço de cultura.

Publicidade

O profissional afirma também que a privatização dos referidos espaços, na sua maioria inactivos, como é o caso dos cines Karl Marx, Miramar, São Paulo e Ngola, vai permitir maior rentabilização e acabar com o aspecto de abandono.

O porta-voz dos fazedores de teatro, que falava a Angop, advertiu que “nem sempre que se fala em apoio se trata de ajuda financeira mas sim da criação de condições para que os grupos possam desenvolver as suas actividades e atingir a sua autonomia monetária”.

Considerou haver associativismo entre os grupos, havendo a possibilidade de unir o teatro a outras modalidades artisticas como a música e artes plásticas, sob gestão dos grupos e fiscalização do Estado no que toca a recolha das receitas das actividades.

O responsável lembrou ainda que parte da população é jovem e que o teatro pode ser uma das formas de diminuir a delinquência, com o enquadramento nas artes cénicas e a cuidar destes espaços.


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *