Tânia Burity descava justificativa a ‘miséria angolana’ e faz apelo importante


A actriz angolana Tânia Burity desabafou nesta terça-feira, (30) de Março, sobre as inúmeras situações que considera serem perturbadoras para o povo angolano, desde a consciência, vivência, alimentação, saneamento e problemas de base que constituem a fragilidade da nação, seus dirigentes e dirigidos, tendo aproveitado a mensagem reflexiva também para fazer um apelo especial a todos.

Conhecida por suas intervenções em momentos de turbulência no país como foi no caso das manifestações no ano de 2020, Tânia usou nesta terça-feira a sua conta na rede social Instagram para expor o que carrega em sua mente sobre “como anda o país que se chama Angola”, sem atribuir culpas a outrem destilou em longas frases ‘palavras’ entaladas em sua garganta de forma poética.

Publicidade

Nós somos… uma sociedade nova, temos uma consciência política, cultural, jurídica, moral e cívica nova, porque estamos a falar das massas da nova Angola, essas massas são as crianças e jovens. Pertencemos à um país que se apoiou na guerra para justificar tudo e que tem uma classe artística influenciadora vinda na sua maioria, da falta de oportunidades, da falta de pão, de educação, de cultura,de valores e de autonomia de autodidactas.

Tânia mostrou-se apologista da ideia que cada um pode doar um bloco para a construção de uma nova sociedade, esta que os avós e pais sonham para os seus netos e filhos:

Precisamos sim de entre nós, gerarmos respeito, valores e princípios.. E sim, artistas têm responsabilidade social e educacional, repito, artistas!! Mas cada um de nós pode mudar o seu mundo e a forma de como ele é visto. E não podemos culpar as crianças e todos os jovens dos resultados da precariedade e do avultado da falta de calçado desde sistema que há anos nos engole. A instrução das escolas e a educação dos pais é a filosofia. Mas se temos o país aonde os pais são obrigados a jantar para apenas viver, quem sobra para educar? Mudamos de tempos… Mudamos de posicionamentos… Perdemos valores. Ganhamos lixo e outros horrores …

Consciente de que a globalização trouxe algumas consequências negativas aconselhou:

A internet e a globalização são a nova era do matrix! Não sabíamos administrar quando nos chegou, não sabemos administrar agora … Estamos perdidos há muito, mas os sinais e consequências para alguns demoram a aparecer….
Precisamos entender quem somos e ao que viemos …Nem sempre é maldade…As vezes a ignorância se veste com falta de noção. Somos novos. Precisamos de todos. Cada um no seu espaço, mas activos, e passivos jamais venceremos… a todos… menos futilidades e mais material para a prosperidade, a todos mais legados, mais preocupação e menos “o país está bom, e mais verdade jogada na cara da ‘nação coragem ‘… bocas fechadas se fazem com politicagem …
E o sistema nunca quis que soubéssemos disso. O sistema nunca quis que tivemos noção. O sistema não entende o que significa revolução. O sistema não sabe que falar liberta e que reclamar os nossos direitos é parte da constituição…
Era para continuarmos todos analfabetos e a culpa não é nossos pais, ou os pais deles ou alguns de nós.
A culpa não é culpa, é realidade, é fragilidade, é falta de nação.


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *