Morre músico Manu Dibango aos 86 anos de Coronavírus


1.1k partilhas

Morreu aos 86 anos o músico camaronês, ícone da música africana, Manu Dibango. A família do cantor e saxofonista anunciou, na manhã desta terça-feira ( 24) de março, sua morte por Covid-19, a doença causada pelo coronavírus. 

“Queridos pais, queridos amigos, queridos fãs, uma voz se eleva ao longe … É com profunda tristeza que anunciamos a morte de Manu Dibango, nosso ‘Papy Groove’, que ocorreu em 24 de março de 2020 com a idade de 86 anos do Covid-19 “, anunciou a família.

Publicidade

Chegou a Marselha em 1949 quando adolescente, tornou-se Cavaleiro da Legião de Honra em 2010, o artista camaronês ainda estava em grande forma e em turnê no ano passado por seus 60 anos de carreira com sua mixagem no Symphonic Safari jazz e música clássica. Manu Dibango era um gigante por seu tamanho e talento, mas também por sua bondade e entusiasmo comunicativo.

À 18 de março, a contaminação do artista foi anunciada em sua página no Facebook. “O funeral será realizado em cerimonia íntima apenas com familiares e amigos próximos, e um tributo será pago a ele o mais rápido possível”, disse a família em seu comunicado à imprensa.

Nascido a 12 de Dezembro de 1933 em Douala, nos Camarões, Manu Dibango foi um saxofonista e vibrafonista de jazz e afrobeat, que iniciou a carreira como membro do grupo congolês Africam Jazz.

Emmanuel “Manu” Dibango estourou com  “Soul makossa” no início dos anos 1970. Primeiro lançamento de um artista africano a ganhar disco de ouro nos EUA, uma das faixas prediletas dos DJs de Nova York que iniciaram o movimento disco e precursora do que se conheceria como world music, fez história no pop. Seu cântico “ma-mako, ma-ma-sa, mako-makos-sa” foi adaptado em sucessos como “Wanna be startin’ something” (Michael Jackson), “Cowboys” dos The Tigres e “Don’t stop the music” (Rihanna). O uso sem autorização do sample na famosa música de Michael Jackson, em 1982, rendeu uma longa série de processos por plágio, que terminou em um acordo financeiro.

Em 2004,  Manu Dibango foi denominado pela Unesco  “Artista da Paz”.

Manu Dibango já actuou em espectáculos em Angola por várias ocasiões. Em Dezembro de 2018, a convite do Presidente de Angola, João Lourenço, o saxofonista exibiu-se em dois concertos com o músico angolano Bonga.


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

1.1k partilhas

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *