Karina Barbosa responde a críticas sobre ‘favoritismo’ no Moda Luanda: -” A ignorância é muito atrevida”


28 partilhas

Após circularem nas redes sociais algumas críticas sobre existir um suposto ‘favoritismo’ no evento Moda Luanda 2020 que se realizou no domingo (21) de Junho, com transmissão ao vivo. A empresária, CEO da Step Mode e organizadora do evento, Karina Barbosa mostrou-se revoltada, indignada, e respondeu a letra as acusações ao afirmar o que chama de ‘ignorância de quem não sabe fazer contas e vir a público falar de ‘favoritismo’ ou falta de ‘oportunidades’. 

Quem à conhece sabe o quanto a empresaria é cautelosa e muito rigoroso ao responder certos comentários sejam eles ligados a sua vida pessoal ou profissional, entretanto nesta terça-feira (23) de Junho, Karina Barbosa viu o bom nome do seu evento “Moda Luanda’ a ser manchado por ‘terceiros’ a quem preferiu chamar de ‘ignorantes’ e ‘frustados’.

Publicidade

“A ignorância é muito atrevida! Já dizia o meu professor de Sociologia… Para a pessoa que já se esqueceu de quem a tirou do anonimato e lhe deu a oportunidade de fazer uma carreira profissional quando não era ninguém, nem sequer na moda nacional que fará internacional, e para os demais treinadores de banca e frustados do costume, que há anos e anos muito falam e nada fazem”, começou por dizer a empresaria.

Por outro lado, Karina fez um balanço do número de novos modelos e criadores de moda que foram inseridos ao evento que este ano pela primeira vez na história de moda, foi exibido de modo virtual devido a situação actual que o mundo atravessa por conta da Covid-19, ao lamentar a quem se ‘incomoda’ ao ver as modelos Amilna Estevão, Marisa Gonçalves serem premiadas por terem um número elevado de trabalhos.

“Portanto, num evento que teve 36% de novos modelos e 37% de novos criadores de moda, só quem não sabe fazer contas, é que pode falar de ‘favoritismos’ ou falta de oportunidades. Por outro lado, se o que incomoda é o facto de estar sem trabalhos de destaque, e já no declínio da sua carreira, enquanto as premiadas Amilna Estevão, Marisa Gonçalves  continuam a ser desejadas, celebradas, requisitadas e com sucesso, a solução será criticar menos e trabalhar mais”, disse.

O texto de Karina Barbosa, surge depois da Top Model Internacional Angolana Maria Borges ter feito críticas sobre um suposto ‘favoritismo’ em carta direccionada aos  amantes da moda nacional. 

Veja abaixo a responde a críticas sobre ‘favoritismo’ no Moda Luanda: 

“A ignorância é muito atrevida! Já dizia o meu professor de Sociologia… Para a pessoa que já se esqueceu de quem a tirou do anonimato e lhe deu a oportunidade de fazer uma carreira profissional quando não era ninguém, nem sequer na moda nacional que fará internacional, e para os demais treinadores de banca e frustados do costume, que há anos e anos muito falam e nada fazem, eis os factos:

1- No Moda Luanda desfilaram 22 modelos, dos quais 9 foram estreias, ou seja, o tal “…dar a oportunidade a novos talentos”

2- No Moda Luanda participaram 16 marcas angolanas, das quais 6 foram estreias, ou seja, o tal ‘…dar a oportunidade a novos talentos’

3- No Moda Luanda fez-se um desfile intitulado Sangue Novo, destinado aos alunos da escola de moda da Dina Simão, ‘Arte e Fashion’, ou seja ou seja, o tal ‘…dar a oportunidade a novos talentos’.

4- O Moda Luanda teve a participação de modelos de 3 agências diferentes. Estas são agências, tal como todas as outras, que nunca contratam modelos da Step para nada, mas que ainda assim nós contratamos para os nossos eventos.

5- O Moda Luanda é um evento privado, de uma empresa privada, que não deve satisfações a terceiros sobre quem contrata ou deixa de contratar como recursos humanos para as suas actividades, que são da sua inteira responsabilidade”, começou por explicar.

Portanto, num evento que teve 36% de novos modelos e 37% de novos criadores de moda, só quem não sabe fazer contas, é que pode falar de ‘favoritismos’ ou falta de oportunidades. Por outro lado, se o que incomoda é o facto de estar sem trabalhos de destaque, e já no declínio da sua carreira, enquanto as premiadas Amilna Estevão, Marisa Gonçalves  continuam a ser desejadas, celebradas, requisitadas e com sucesso, a solução será criticar menos e trabalhar mais.

Se o problema é a @micaela_whitney_ ter desfilado, se ela era boa quando me pediu para a incluir porque a queria promover, também continua a ser boa agora, e não é porque já não se dá com ela que ela não vai trabalhar connosco. Se não gosta, não assista. Se não é bem feito, faça melhor. Se está frustrada procure ajuda profissional. Se não sabe como continuar no topo e manter o Sucesso, compre o meu livro!


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

28 partilhas

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *