Famosos angolanos choram a morte de Waldemar Bastos


Mais uma voz se calou! Partiu do mundo dos vivos o cantor e compositor angolano Waldemar Bastos na madrugada desta segunda-feira (10) de Agosto, em Lisboa, enquanto fazia tratamento para se ver livre de um câncer. Entristecidos, várias figuras públicas e personalidades da sociedade angolana lamentaram a perda irreparável de de um dos ilutres pilares da cultura nacional.

O país amanheceu com a triste notícia do passamento físico do artista internacional Waldemar Bastos, que residia em Portugal desde a independência de Angola (1975), esteve em tratamentos oncológicos em Lisboa por cerca de um ano, mas não resistiu e morreu segundo avançou o gabinete de comunicação do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente de Angola.

Publicidade

Em mais de quatro décadas, Bastos encontrou espaço no coração dos angolanos, por isso sua partida prematura deixa um vazio na vida dos angolanos no geral e dos colegas de profissão.

Na sua página de Facebook, o ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, escreve “Eterna gratidão! Descansa em paz”.

“Tive a oportunidade de poder dizer-te o quão importante sempre serás na minha vida Tio Waldemar, hoje é um dia muito triste para mim, para o meu pai e para o país. Obrigado por tudo, obrigado por teres partilhado o melhor da tua alma conosco . Para sempre no meu coração.”, expressou Dji Tafinha.

“R.I.P nosso GRANDE poeta. Muito Obrigada”, disse Yola Semedo.

Por seu turno,  Gabriel Tchiema: “Oh meu Deus, nesta inversão de valores como compreender a partida de tão ilustre pilar? O que faremos meu pai se cada dia negamo-nos mais e mais. Pai, manda pelo menos abrir alas porque Waldemar Bastos é um dos grandes desta Angola e vai chegar à sua eterna glória. À família, os meus mais sentidos pêsames…o que dizer mais diante de tamanha perda? Apenas dor”.

“E o céu ganhou mais uma estrela. Um dos meus ídolos de SEMPRE. Que dor… que tristeza… que perda gigante para Angola e para a música do mundo. Que saibamos TODOS honrar a memória de Waldemar Bastos. Descansa Em Paz, meu kota da voz de ouro. JAMAIS te esqueceremos”, prometeu Daniel Nascimento.

“Xê menino, xê menino não fala política, Não fala política, não fala política, Xê menino não fala política,
Não fala política, não fala política, obrigado pela arte”, declarou Gilmário Vemba.

Vale lembrar que Waldemar foi um dos primeiros cantores angolanos a alcançar sucesso internacionalmente, e destacou-se como um dos artistas mais consagrados da música global. “Velha Chica”, “Teresa Ana” e “Muxima” fazem parte de lista de sucessos lançados pelo artista.

Waldemar dos Santos Alonso de Almeida Bastos, conhecido como Waldemar Bastos, nasceu em M’Banza Kongo, capital da província do Zaire, a 4 de Janeiro de 1954.

Começou a cantar em idade muito precoce, utilizando instrumentos do seu pai. Após a independência, em 1975, rumou para Portugal.

Em mais de 40 anos de carreira, foi distinguido com um Diploma de Membro Fundador da União dos Artistas e Compositores (UNAC-SA) e com Prémio Award, em 1999, pela World Music.

Em 2018, foi distinguido com o Prémio Nacional de Cultura e Artes, na categoria de música.

Por: carla Delgado


Gostou? Partilhe com os teus amigos!

0 Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *