Quantcast

Chevron adia para 2019 arranque de extração no bloco 14

0
Divulgação de Serviços (ProCenter)

A petrolífera norte-americana Chevron, através da sua subsidiária Cabinda Gulf Oil Company (Gabgoc), foi autorizada pelo Governo angolano a adiar para agosto de 2019 a primeira extração de petróleo na área de desenvolvimento de Lucapa, no bloco 14.

A informação consta de um decreto executivo assinado pelo ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino Pedro Azevedo, de 22 de novembro e ao qual a Lusa teve acesso, tendo o Governo angolano acolhido os argumentos da Gabcoc, operadora do bloco 14, no ‘offshore’ de Cabinda.

O documento refere que na origem do pedido de adiamento da data para início da exploração petrolífera naquele campo estão riscos como a “fuga de hidrocarbonetos do reservatório para o leito do mar”, como resultado da presença de “uma enorme falha na estrutura e sobrecarga fina”, devido ao desfiladeiro do rio Congo, entre outros.

A situação levou mesmo à suspensão, em 2013, de atividades preliminares de engenharia naquele perfuração, para “avaliação e melhor entendimento dos riscos técnicos associados ao projeto”.

No bloco 14, a Chevron tem como associados a Sonangol Pesquisa e Produção (20%), além dos franceses da Total (20%), a italiana ENI (20%) e a portuguesa Galp Energia Overseas (9%).

O prazo do primeiro levantamento de ramas de petróleo da área de desenvolvimento do Lucapa, no bloco 14, é assim prorrogado para 15 de agosto de 2019.

A Chevron opera e detém uma participação de 31% no contrato de partilha de produção no bloco 14, em águas profundas, que garante uma produção diária líquida de 25.000 barris de petróleo, através dos campos Benguela, Belize, Lobito, Tomboco, Belize Norte, Benguela Norte, Tômbua e Landana.

Em desenvolvimento estão os campos Lucapa e Malanje.

Através da Gabgoc, a Chevron produz em Angola mais de 121.000 barris diários de petróleo, distribuídos pelas concessões dos blocos ‘offshore’ 0 e 14, e na área ‘onshore’ Fina Sonangol Texaco (FST).

Precisamente em Cabinda, mais de mil pescadores artesanais locais levaram este mês a Chevron a tribunal, queixando-se de prejuízos por reparar de um derrame de petróleo ocorrido naquele enclave, em 2005.

Lusa

Deixe a sua opinião!

Partilhe.